Não é novidade que durante a pandemia de Covid19 a procura de produtos de consumo mais saudáveis cresceu. A demanda por chá como opção de bebida mais alinhada com esses princípios de bem estar, relaxamento, conexão e convivialidade  – e uma ajuda preciosa para enfrentar os desafios do cotidiano – conheceu também uma escalada, pelo que cada vez surgem mais propostas online para desfrutar do chá em casa, bem como os espaços públicos como cafetarias, restaurantes, hotéis e spas acompanhando essa tendência depois da reabertura das atividades económicas que se seguiu ao período difícil  do confinamento obrigatório.

Algumas considerações sobre o que temos vindo a observar nesse período:

Mais pessoas entram em contacto com o chá: Durante a pandemia, com mais tempo disponível para expandir o seu conhecimento sobre as opções de chá existentes no mercado, muitas pessoas tiveram pela primeira vez contacto com blends de qualidade ou chás especiais, ao procurarem por bebidas saudáveis ou por pequenos luxos sustentáveis que tornassem o confinamento ou o “home office” mais agradável.

Chá Wellness: A pandemia alertou mais pessoas para a importância de hábitos mais saudáveis, para bebidas e comidas que contribuam para o reforço do sistema imunitário. Neste sentido, assistimos a uma procura maior por alimentação “plant based” e por chás “wellness” ou funcionais, com destaque para receitas e fórmulas da Ayurveda, a medicina milenar indiana que é referência de bem estar.

Compra de chá online: As compras online estouraram em todo o mundo e em todas as indústrias durante a pandemia – incluindo a indústria do chá. Por um lado, os novos consumidores dispunham de mais tempo e disponibilidade para experimentar produtos diferentes; por outro lado, os que já eram amantes de chá viam as suas lojas preferidas encerradas. Resultado: todos se viraram para o online.

Embalagens Eco-Friendly: Grande parte dos consumidores já entende a questão vital de um futuro mais sustentável. As empresas que comercializam chá têm desenvolvido soluções mais ecológicas, tais como sachês biodegradáveis, embalagens de papel, latas sem qualquer resíduo plástico. Afinal o chá é um produto natural, então faz todo o sentido, não é?

Cold Brew: Cada vez mais popular, este tipo de infusão a frio reduz substancialmente o teor de cafeína do chá e produz uma bebida muito mais macia e doce, mantendo no entanto todas as propriedades. A tendência é que deixe de ser um hábito exclusivo de Verão e se estenda a todo o ano.

Coffee lovers viram Tea lovers: Muitos coffee lovers estão fazendo a transição para o chá. Não que  deixem de tomar café por completo, mas substituindo algumas doses por chá de qualidade, de folha solta, por forma a reduzir os níveis de cafeína. Muitos já substituem até o café por um revigorante Matcha!

Qualidade e seleção variada: Ao oferecer qualidade, se conquistam cada vez mais consumidores de chá. Os consumidores são cada vez mais exigentes quanto à qualidade do que se dispõem a comprar, sem comprometê-la por preço ou quantidade. No entanto, continuam querendo uma seleção variada dentro da qual escolher as suas preferências;

Amostras/embalagens menores: Outra tendência atual das marcas de chá é oferecerem aos seus clientes a opção de conjuntos de degustação, com amostras de vários chás, ao invés de se limitarem a vender embalagens de peso fixo. Isto permite que os potenciais tea lovers experimentem, por preços muito mais acessíveis, uma variedade considerável de chás até decidirem os seus favoritos.

Comprar do pequeno negócio nacional: Por fim, comprar do pequeno negócio nacional é tendência! Claro que quando falamos de chá, estamos sobretudo falando de produtos importados, mas a palavra de ordem é apoiar o empreendedorismo brasileiro, o trabalho de pessoas que se dedicam a trazer novidades de qualidade enfrentando os desafios e os elevados custos da burocracia de importação. Por isso, ainda que comprando online, vale comprar das marcas nacionais em vez de comprar das marcas do exterior, ajudando os pequenos negócios a se reerguer nesse pós-pandemia!

Escrito por Monica Costa